Página Inicial   >   Colunas

Língua Portuguesa Abrindo e Fechando Parênteses...

01/07/2008 por Eduardo de Moraes Sabbag

Nos últimos dias, recebi um interessante e-mail, no qual o internauta expunha dúvida sobre pontuação, solicitando-lhe o auxílio. Tratava-se de um verso de poema, em que aparecia o uso concomitante de travessões e parênteses, o que provocou toda a celeuma. Note-o:

 

"Naquela manhã cinzenta,

tão vocacionada a ventos,

- (ventos fortes, fortes) -,

não desejei amanhecer,

sob pena de me perder

no uivo aterrorizante."

 

            Referindo-se a dúvida à pontuação do verso específico, acima negritado, ative-me apenas ao item questionado, não tecendo comentários sobre o uso da vírgula, por exemplo, nos demais versos. Observe a resposta enviada ao inquiridor:

 

                Caro Internauta:

 

                Os parênteses são usados num texto para intercalar uma explicação ou um esclarecimento. Isso se deu no poema apresentado quando o autor, depois de fazer menção aos ventos, esclarece que serão ventos fortes. Portanto, os parênteses aqui foram bem empregados.

                Quanto aos travessões, estes são, às vezes, utilizados para um efeito semelhante ao dos parênteses: isolar, num contexto, palavras, expressões ou frases. A diferença é um tanto sutil, pois as palavras isoladas por meio de travessões não vêm normalmente ofertar um esclarecimento, mas, sim, evidenciar um aparte ou um comentário do emissor da fala, ou mesmo revelar uma frase realmente suplementar. Note o exemplo:

 

O que lhe disse - preste atenção - é um grande segredo.

 

                O problema é que o verso em análise trouxe o uso simultâneo de parênteses e travessões, o que não se mostra adequado. Se o intuito é intercalar uma frase ou expressão, é erro valer-se de dois processos de pontuação tendentes a um mesmo objetivo. Tenho chamado o vício, em minhas aulas, de "bipontuação". Assim, não obstante a beleza dos versos, sugiro que proceda à correção correspondente.

 

 

           

A questão, entretanto, levou-me a uma reflexão. Por achá-la de todo pertinente, resolvi escrever sobre o uso dos parênteses na escrita.

           

O artigo abaixo, concebido na forma de perguntas e respostas, visa esclarecer o usuário da Língua sobre alguns pontos ligados ao uso dos parênteses, trazendo questionamentos com os quais deparamos no dia-a-dia. O tema é fértil aos debates.

 

 

 

Artigo: OS PARÊNTESES EM PERGUNTAS E RESPOSTAS

 

 

1. Escreve-se "parêntesis" ou "parêntese"?

 

            As palavras "parêntesis" e "parêntese", derivadas do grego "parenthesis", indicam a "ação de intercalar". Ambos os vocábulos são considerados corretos e, por isso, encontram-se registrados nos dicionários de Língua Portuguesa.

            No plural, o vocábulo "parêntesis" não sofre alteração, formando idêntica variante (um parêntesis; dois parêntesis). Já o termo "parêntese", usado apenas no singular, forma o plural "parênteses" (um parêntese; dois parênteses). Daí, dizer-se:

 

No singular: Vou abrir um parêntese / um parêntesis.

No plural: A frase está entre parênteses / entre parêntesis.

 

            Portanto, a resposta à pergunta é: escreve-se "parêntesis" (singular ou plural) e "parêntese" (neste caso, no singular).

 

 

2. Como sinal de pontuação, os parênteses servem para quê?

 

            Há várias aplicações para os parênteses. Vamos conhecer algumas, abaixo negritadas:

 

I. Indicação dos nomes de autores, obras, capítulos, etc., relativos a citações feitas. Exemplo:

 

"Matamos o tempo; o tempo nos enterra." (ASSIS, Machado de. Memórias póstumas de Brás Cubas, Vol. 1, Rio de Janeiro, José Aguilar, 1962, p.615)

 

 

II. Indicação de uma parte independente de uma sentença ou parágrafo, não diretamente relacionada com o restante da oração. Exemplo:

 

 

Os operadores do Direito (advogados, juízes, promotores, procuradores, entre outros), não podem prescindir do conhecimento da gramática da Língua Portuguesa.

 

 

3. Como sinal de pontuação, qual é a aplicação mais importante dos parênteses?

 

            Considero que os parênteses possuem várias aplicações, conforme se demonstrou na resposta anterior, entretanto seu uso mais relevante se dá quando visa isolar palavras, locuções ou frases intercaladas no período, indicando que a expressão neles contida é acessória ou secundária, tendo um sentido à parte, como um suplemento da idéia expressa no discurso.

            Nessa seara, os parênteses assumem o papel de separar uma explicação, reflexão, comentário ou observação, que pode até se traduzir em uma nota emocional, expressa geralmente em forma exclamativa ou interrogativa. Note os exemplos:

 

"O homem  saiu da tabacaria (metendo o troco nas calças?)" (Fernando Pessoa)

 

João Pessoa (Capital da Paraíba) é conhecida por Cidade Jardim.

 

 

 

4. Nessa aplicação mais importante, como o tema tem sido cobrado em vestibulares e concursos?

 

            Há inúmeras solicitações em provas de concursos e vestibulares. Vamos rever algumas, com grifos nossos:

 

 

a)      Note o uso dos parênteses, no excerto do poema "Circum-lóquio", de Haroldo de Campos, que serviu de base para teste realizado no ITA, em 2006:

 

"[...] um mundo prive / palácio de cristal / à prova de balas: / bunker blau / durando para sempre - festa estática / (ainda que se sustente sobre fictas / Palafitas e estas sobre uma lata / de lixo)"

 

 

            Observe, nos versos acima, que os parênteses, de cunho explicativo, vêm reproduzir, em irônico comentário do poeta, a precariedade em que se fundamenta uma sociedade que valoriza ao extremo o consumismo, intensificando as diferenças das desigualdades sociais.

 

b) O TRT/1ªRegião, em recente prova realizada no dia 7 de junho de 2008, para o preenchimento do cargo de Analista Judiciário, confirmou, em uma de suas questões de Língua Portuguesa, que "uma das funções dos parênteses é a de isolar explicações, indicações ou comentários em geral."

 

 

5. O sinal de pontuação fica fora ou dentro dos parênteses?

 

            Quem quiser usar o sinal de pontuação com os parênteses deve considerar a intencionalidade do que vai escrever.

            O ponto ficará fora quando a expressão encerrada nos parênteses fizer parte da oração. Há possibilidade de o ponto ficar dentro dos parênteses quando estes englobarem toda a oração. Note o fácil exemplo nas frases (1) e (2):

 

(1) Estive na Síria e visitei Damasco. Andei por lá uns dez dias, mas não vi tudo. Visitei mesquitas, mercados, percorri os bairros mais antigos e de tudo gostei. (Damasco é a cidade mais antiga do mundo.)

 

            Observe que poderia dizer a mesma frase, mas terminar de outra forma:

(2) ... e percorri os bairros mais antigos e de tudo gostei. Damasco é a cidade mais antiga do mundo (e dela nunca me esquecerei ).


           
No texto (1), o que está entre parênteses é uma oração independente. Apenas está ligada à anterior pelo sentido. Os parênteses não se encontram dentro dela, mas fora. O ponto final é o fim da frase "Damasco é a cidade mais antiga do mundo", antecedendo o último parêntese com a forma .) .

            No texto (2), o que se encontra entre parênteses não tem independência, ligando-se à oração anterior pela conjunção "e". Os parênteses estão dentro da frase. Por isso, o ponto final vem depois do último parêntese da frase, na forma ). .

  

 

Estas são algumas respostas a algumas perguntas, sobre tão importante discussão. Como disse, o tema é amplo...quase não cabendo em meros parênteses! Porém, só estamos "abrindo parênteses e fechando-os", rapidamente...

 

Comentários

BEM-VINDO À CARTA FORENSE | LOG IN
E-MAIL:
SENHA: OK esqueceu?

EDUARDO DE MORAES SABBAG

Eduardo de Moraes Sabbag

Advogado, Professor e Autor de Obras Jurídicas, entre elas o "Manual de Direito Tributário" pela Editora Saraiva; Doutor em Direito Tributário, pela PUC/SP; Doutorando em Língua Portuguesa, pela PUC/SP; Professor de Direito Tributário, Redação e de Língua Portuguesa. Site e Redes Sociais: professorsabbag.

Site | Facebook / Twitter

NEWSLETTER

Receba nossas novidades

© 2001-2019 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br