Página Inicial   >   Colunas

FILOSOFIA Fúria de Titãs - O mito de Perseu e Andrômeda

04/05/2010 por Luciene Félix


O mito de Perseu, como todo legado grego, revela elementos universais à nossa condição humana e divina. Vamos às façanhas relatadas por Hesíodo, Píndaro, Apolodoro e Ovídio entre outros aedos, deste que, juntamente com Teseu, Hércules e Atalanta é um dos quatro grandes heróis anteriores à guerra de Tróia.

 

Em Argos, havia um nobre rei chamado Acrísio, que desejava muito ser pai de um menino. Mas sua rainha, Eurídice só gerara uma menina, a dócil e bela Dânae.

 

Certo dia, curioso por saber se o destino ainda lhe reservaria um varão, Acrísio foi consultar o Oráculo de Ámom e saiu de lá transtornado: ouvira a profecia de que, não só jamais seria pai de um menino como teria sua morte causada pelo próprio neto.

 

Desolado, Acrísio que amava muito a filha, para não matá-la e despertar a ira das Erínias, que puniam severamente quem derramasse sangue do próprio sangue, decide trancafiá-la numa intransponível torre de bronze onde, tendo somente uma criada por companhia, estaria a salvo do contingente desejo de se unir.

 

Insone pela angústia que o dominava, certa madrugada, Acrísio se levanta para tentar espairecer e qual não foi sua surpresa ao flagrar uma ofuscante e luminosa chuva de ouro caindo dos céus diretamente para dentro da torre.

 

Imediatamente, o rei convocou sua guarda e, com violência derrubou a porta que havia selado com tanto empenho. Espantado, deparou-se com a filha e seu neto nos braços. Indagada sobre quem seria o pai, relutante, Dânae confessou que fora fecundada por Zeus. "Mas como?" Insistia o incrédulo rei.

 

Foi então que Dânae lhe revelou que o soberano do Olimpo se metamorfoseara (bela metáfora para o Espírito fecundado a matéria) em chuva de ouro.

 

Acrísio estava aturdido! A explicação da jovem parecia absurda, sem dúvida, mas a torre era mesmo absolutamente inviolável a qualquer mortal. Mesmo temendo vir a sofrer algum castigo por parte de Zeus, ele despacha filha e neto numa precária arca de madeira, lançando-os ao mar.

 

A criança exposta, abandonada ao acaso, é recorrente em diversas narrativas mítico-religiosas: Édipo, Hefestos, Hércules, Perseu, Páris, Egisto, Atalante, Rômulo/ Remo, Moisés e o próprio Zeus, entre outros. Atemporal, como todo mito infelizmente, esse drama é testemunhado até os dias de hoje, quando nos chocamos com a notícia de recém nascidos abandonados até mesmo em lixeiras.

 

Quer seja por revelar ato desonroso por parte de um ou ambos os progenitores, por portarem predições de infortúnios ou simplesmente vítimas de más formações congênitas, inocentes eram transformados em bodes expiatórios e banidos, sacrificados a fim de se ocultar uma falta ou aplacar a ira divina.

 

Mas, se por acaso da Fortuna escapassem à morte certa, ocorria o diametralmente oposto: eram imediatamente sacralizadas, pois sobreviver era interpretado como uma mudança do sinal divino.

 

E, se fora essa a vontade dos deuses, por conversão do destino, esses cordeiros tornavam-se intocáveis, reverenciados, extremamente benéficos, pois portadores de bons augúrios àquela família e comunidade que os acolhera (confira a sensível obra "O filho eterno", curitibano Cristovão Tezza).

 

Foi justamente isso o que aconteceu com Dânae e seu pequeno Perseu. Algas e outros alimentos marinhos submergiam, ficando ao alcance da jovem mãe, para quem o leite materno era abundante. O próprio Zeus, afastando Poseidon, providenciou que fosse a mansidão do velho Nereu a presidir o mar, mantendo-o de águas límpidas e serenas. Também convocou Eólo, o vento de brisa suave a acompanhá-los até que improvisada e fragilíssima nau aportasse em segurança na ilha de Sérifo.

 

Mãe e filho foram acolhidos pelo irmão do rei de Sérifo, um humilde pescador chamado Díctis e sua gentil mulher. Não tardou muito, o cruel e implacável tirano Polidectes apaixonou-se pela beleza de Dânae que, relutante em tomar quem quer que fosse por marido, só se ocupava dos cuidados com Perseu, que crescia forte e ia revelando uma personalidade desafiadoramente ousada e destemida.

 

Confabulando num modo de tirar o ciumento e zeloso filho do caminho, Polidectes mente que irá se casar com Hipodâmia e, a fim de comemorar a decisão, organiza um banquete. Todos os súditos o presenteiam. Perseu não tem nada a oferecer, mas, orgulhoso, no intuito de se destacar entre os demais que haviam trazido cavalos ou ouro, se precipita ao declarar, diante de todos, em alto e bom tom que traria um presente digno de um rei tão "desinteressadamente hospitaleiro": a cabeça da rainha das Górgonas, Medusa (vide os artigos "Justiça ou Vingança" e "Palas Athena").

 

"Isso me agradaria mais que qualquer cavalo ou ouro do mundo", disse Polidectes. O imprudente Perseu caira na cilada! Livrar-se do filho para poder desposar a mãe era tudo o que o rei de Sérifo mais desejava. Após reiterar que não se promete algo que não se pode cumprir - ao que Perseu, com toda altivez, reafirma: "eu a trarei", Polidectes disfarça seu irônico sorriso de satisfação.

 

Filho legítimo do próprio Zeus, Perseu é afortunado. Conta com a ajuda de outros deuses, convocados a orientar e enviar os instrumentos necessários à realização de tal proeza: a espada de ouro e as sandálias aladas de Hermes, o elmo de Hades, que o torna invisível e, de Athena o reluzente escudo de bronze, além da bolsa de prata, única capaz de conter a cabeça da Górgona.

 

Ao vencer Medusa (sua mão fora guiada pela própria deusa da sabedoria e justiça, Palas Athena), Perseu testemunha o nascimento do cavalo alado Pégasus (até mesmo a criatura mais vil, traz em si algo de elevado) e de Crisaor. Monta-o, voa e percebe que as gotas de sangue que caem se transformam em venenosas serpentes que se apressam a rastejar pela terra.

 

Pégasus é filho da outrora bela, Medusa com Poseidon, tendo sido concebido ao profanarem o imaculado leito da virginal Athena, que a castigou por essa aviltante infâmia transformando-a num monstro.

 

Enquanto isso, noutro seio familiar, a fútil e presunçosa rainha Cassiopéia, imprudentemente, proclama que sua filha, a realmente deslumbrante Andrômeda, é ainda mais bela que a própria deusa Hera e as Nereidas (ninfas) de Poseidon. Essa reivindicação de superioridade sobre divindades desencadeia polemós entre os fraternos deuses Zeus, Hades e Poseidon.

 

Cassiopéia não tarda a ver todo reino da Etiópia refém da violenta e furiosa ira dessas divindades. Desesperado, seu marido, o rei Celeu, busca o Oráculo para saber como deveria proceder para aplacar a fúria dos deuses.

 

Obtém a orientação de que deve acorrentar Andrômeda ao penhasco sacrificando-a a bestial criatura de Poseidon.

 

Regressando da missão à Ilha de Sérifo, montado em Pégasus, de longe Perseu avista a donzela presa a um rochedo: é Andrômeda, cuja beleza do corpo, adornado somente por jóias e flores é tão paralisante quanto o olhar da Górgona. O herói avança em quebrar os grilhões, enfrenta, luta e, numa fúria de Titãs, com Medusa, vence Kraken, o terrível monstro marinho.

 

Apaixonado, com as bênçãos de Cassiopéia e de Celeu, casa-se com Andrômeda e parte para vingar-se de Polidectes. Chega exatamente no momento em que o ardiloso rei encontra-se no salão em festas, pronto para desposar a sempre relutante Dânae. Ordenando que a mãe feche os olhos, Perseu puxa a cabeça da Górgona pelos cabelos/serpentes, petrificando a todos à sua volta.

 

Ansioso por regressar à Grécia e conhecer o avô Acrísio, por quem não guarda rancor, Perseu decide antes disso, participar da competição de atletismo que o rei de Larissa estava realizando. Chegada sua vez de arremessar o disco, ignorando que o avô estivesse na arquibancada, Perseu lança-o e, guiado pela vontade dos deuses, atinge-o em cheio. Acrísio tem morte instantânea. Desolado por conta desse acidente, o herói parte de Argos e funda Micenas.

 

Venerado em Sérifo, Argos, Micenas e também no Egito, onde foi erigido um templo em sua homenagem, Perseu foi imortalizado no céu entre as constelações setentrionais. Seu filho com Andrômeda, Eléctrion, foi o avô de Hércules.

 

Comemorando mais de 30 mil visitas ao meu Blog, disponibilizei imagens e informações sobre como e em que época do ano observa-se a olho nu a magnífica Constelação de Andrômeda, posta nos céus por Athena, de onde se avista também seus pais, Cassiopéia e Cefeu, seu amado Perseu e Pégasus. Posto algumas obras do período neoclássico e abro espaço para discutirmos o épico a ser lançado ainda esse mês: "Fúria de Titãs", do diretor Louis Leterrier.

 

Comentários

BEM-VINDO À CARTA FORENSE | LOG IN
E-MAIL:
SENHA: OK esqueceu?

LUCIENE FÉLIX

Luciene Félix

Professora de Filosofia e Mitologia Grega da Escola Superior de Direito Constitucional -
ESDC - www.esdc.com.br Blog: www.lucienefelix.blogspot.com
E-mail: mitologia@esdc.com.br

NEWSLETTER

Receba nossas novidades

© 2001-2014 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br