Página Inicial   >   Entrevistas

ENTREVISTA A primeiro anista que desmistificou o Exame de Ordem

02/04/2014 por Thays Castro Guimarães

 

Thays, por favor, diga para nós sua idade e em que período está matriculada no curso de Direito?

Tenho 18 anos e estou matriculada no 2º período da Faculdade de Direito Católica de Rondônia.

 

Porque escolheu o Curso de Direito?

Durante esses dias, li muitos comentários nas redes sociais e um deles me chamou muito a atenção. Uma moça dizia que esse resultado não teria acontecido se eu não tivesse vocação. Parei pra pensar e percebi que talvez tenha sido realmente esse o motivo para a escolha do curso. Sei que isso pode parecer clichê, mas não lembro de uma época em minha vida em que eu não quisesse seguir no Direito. Mesmo muito nova e não sabendo muito bem o que era, eu já sabia que era isso que eu queria para mim.

 

Você trabalha na área jurídica ou possui parentes próximos que fizessem que você tivesse familiaridade com o conteúdo desde criança?

Não trabalho na área jurídica. Meu pai é professor de História e minha mãe trabalha com confecções. Tenho uma tia que exerce cargo no Judiciário e um primo formado em Direito, que foi quem me ajudou a estudar para a prova, mas mesmo com esses parentes próximos não tive contato com o conteúdo de Direito desde nova, e sim a partir da faculdade.

 

Em que momento decidiu fazer o Exame da OAB? Qual foi sua motivação?

Como eu disse na matéria para minha cidade, a proposta surgiu pelo meu primo. O intuito desde o começo era conhecer a prova e ver como eu me sentiria fazendo a “tão temida” prova da OAB. Aceitei a proposta, pois acreditei que não teria nada a perder, e sim no final, até sair com um pouco de conhecimento. Minha maior motivação realmente foi essa: fazer a prova e adquirir o que eu podia de conhecimento, independente do resultado.

 

Por quanto tempo estudou para esta aprovação?

Para a 1ª fase estudei desde o dia 18 de outubro de 2013, e depois que passei para a 2ª fase, estudei desde o dia 2 de janeiro de 2014.Estudei aproximadamente por 3 meses, totalizando as duas fases.

 

Qual foi sua metodologia de estudo?

Para a 1ª fase eu resolvi muitas questões de provas objetivas anteriores e li, como é de regra para quem faz essa primeira fase, o Estatuto e o Código de Ética da OAB com atenção, pois sabia que para acertar todas as questões de Deontologia Jurídica era essencial. A primeira fase se resumiu em fazer vários exercícios ,mesmo aprendendo sobre aquele conteúdo com o gabarito das questões. Já para a 2ª fase estudei um livro de Constitucional para concursos pois a linguagem era mais direta e rápida, tendo que adotar tal doutrina por ter pouco tempo para muito conteúdo. Li também  um livro com as peças prático-profissionais resolvidas, já que eu não conhecia e nem sabia como era uma peça. A partir dai passei a resolver todas as provas em casa para não errar no dia. Baseado no meu plano de estudos, eu estudava das 9 horas da manhã até o meio dia. A tarde das 14 horas às 18 horas e a noite das 20 horas às 23:30.Dias de segunda, quarta e sexta pela manhã eu estudava somente doutrina, e a tarde e a noite  as peças, e as terças e quintas eu resolvia as questões das provas anteriores .Talvez possa parecer uma bagunça para quem observa de fora, mas para mim foi a maneira mais prática e rápida de aprender o máximo possível para a segunda fase.

 

Chegou a fazer algum curso preparatório em algumas das fases?

Não fiz nenhum curso preparatório para nenhuma das fases. Estudei somente em casa.

 

Qual das disciplinas teve mais dificuldade?

A mais fácil para mim, fora a Deontologia Jurídica foi Constitucional e Direitos Humanos, que foram as matérias que eu tive contato na faculdade. No geral, todas as matérias que eu não tive aulas eu tive dificuldade, mas onde foi mais difícil pra mim foi em Processo Penal e Processo Civil, justamente por não ter prática nenhuma nesse conteúdo e nunca ter visto uma aula sobre essas matérias.

 

Como você conseguiu assimilar as matérias de direito processual, tendo em vista a falta de prática forense? Você conseguia visualizar o que seriam aquelas teorias aplicadas na prática?

Quando eu me deparei na 1ª fase com as matérias de direito processual foi realmente um susto, por não saber nada e não ter ideia de como resolver aquelas questões. Mas quando fui pra 2ª fase eu passei a ler muito sobre como seria aplicado aquilo na prática. Mesmo não vivenciando e nunca tendo feito nada do tipo, acredito que com a leitura e o fato de ter feito e refeito as peças prático-profissionais me garantiu uma certa segurança na hora da prova.

 

Como fez para se preparar para a segunda fase? Qual área escolheu?

A área que eu escolhi foi Constitucional. Eu tive a orientação de como fazer as peças pelo meu primo e por um livro que traz peças prático-profissionais de exames anteriores da OAB resolvidas. Li o livro e passei a fazer as peças das provas anteriores para adquirir pratica e saber reconhecer qual peça caberia na hora da prova. Também estudei com uma boa doutrina de Direito Constitucional. Em relação as questões, fiz e refiz várias vezes as questões desde a primeira prova da OAB. Isso para mim foi suficiente para passar na segunda fase.

 

Desculpe-me a indiscrição, mas qual foi sua nota na peça da segunda fase?

Minha nota na peça foi 4.4 de um total de 5.0 pontos máximos.

 

Você já sabe se a OAB permitirá que este resultado seja aproveitado quando tiver os requisitos para inscrição definitiva, ou seja, a colação de grau?

Desde o início eu já sabia que eu não poderia usar o resultado, mas como disse, o intuito realmente desde o principio foi conhecer a prova e conseguir um pouco de experiência. Muito esta sendo falado sobre isso para mim, mas não quero pular etapas. Quando for o momento certo, vou fazer novamente e com a benção de Deus irei passar.

 

Qual o próximo passo? Embora esteja no primeiro ano já possui mais conhecimento que muito bacharel, haja vista o seu resultado no exame, desta forma, arrisco pergunta-lhe se já tem foco em alguma carreira jurídica específica para o futuro?

 

A partir de agora é continuar a fazer a mesma coisa: estudar. Ainda tenho um caminho muito longo na faculdade para percorrer e vou sempre dar o máximo de mim. Meu sonho há algum tempo é ser Juíza. Conheci há 4 anos um Juiz do Trabalho e decidi que era isso que eu queria fazer .Gostei muito de como tudo funcionava e coloquei na minha cabeça isso como meta. Sei que é um concurso difícil, mas vou me esforçar muito para realizar meu sonho.

 

Qual a dica para os estudantes e bacharéis que querem como você ter êxito na aprovação do Exame da OAB?

Eu posso enumerar os três pontos que me fizeram ter êxito na prova da Ordem. O primeiro foi a determinação. Eu acredito que seja essencial tratar o estudo como um trabalho, com horário para chegar, horário para sair e a responsabilidade do dia a dia de quem trabalha. Muita das vezes, eu só queria realmente dormir, mas tinha que manter o meu compromisso com os estudos. O segundo ponto foi o estudo direcionado, usando somente o material necessário e de ótima qualidade. Enfatizei meus estudos nos exames anteriores e estudei  aquilo que eu observei que era constante nas provas .E o terceiro ponto e que para mim é de total relevância é uma boa orientação. Tive o direcionamento dado pelo meu primo querido associado aos ótimos professores que compõem o quadro da Faculdade Católica. Muitos foram os comentários a respeito de que no 1º período ainda não é dado nenhuma matéria de relevância para a OAB, mas para mim foi essencial a base que meus professores me deram. Tentei absorver o máximo deles nas aulas, e acredito que isso foi muito importante para o meu resultado.

 

Comentários

  • Carlos
    18/07/2014 23:50:04

    A propósito da proeza da jovem Thays, resta uma indagação: Alguém que se graduou em outro curso poderia fazer o Exame de Ordem e no caso de ser aprovado, poderia advogar?

  • Romer Rutren la Santrer
    18/07/2014 22:26:10

    Menina, continue assim; logo,logo você fará a diferença na nossa sociedade. Parabéns por sua capacidade mental e de fé.

  • Rivo Assis
    10/05/2014 10:25:13

    A minha pergunta é: como é que ela fez o Exame se o Edital do XII Unificado (item 1.4.3) só permite que estudantes matriculados nos dois últimos períodos façam a prova?

  • joel
    08/05/2014 06:02:05

    Querida Mirelli...não há paradoxo... Talvez você não tenha lido com atenção... A estratégia de estudo manhã, tarde e noite foi adotada a partir da segunda fase em janeiro quando, seguramente, ela já gozava do recesso escolar. Parabéns a Thays que me inspirou... Atualmente curso o quinto período e espero obter o mesmo quando enfrentar o exame.

  • Mirelli
    06/05/2014 16:37:53

    Há um grande paradoxo nisso tudo. Se ela estudava todas essas horas por dia, subentende-se que ela não participava das aulas na faculdade ou será que está incluso?!

  • Flavia
    04/05/2014 21:08:16

    Eu discordo do comentário acima, assim como acontece com os concursos para os tribunais, que admitem, por exemplo, na área de técnico e analista judiciário, pessoas graduadas em outros cursos que não o de Direito, se observa que muitos obtêm êxito e são aprovados e, tais concursos. Então porque uma estudante de Direito, ainda que cursando o 2º período da faculdade, não poderia passar na OAB? É tudo questão de foco e determinação, ou seja, não tem nada haver a questão de quanto menos se sabe maior a chance de ser aprovado na OAB. Quem quer corre atrás, mesmo que para uns demore mais do que para outros.

  • pedro borges
    04/05/2014 13:19:53

    Em suma. Exame da OAB é decoreba e não avalia capacidade de resolver problemas novos, nem a forma de conquistar mercado de trabalho.

  • pedro borges
    04/05/2014 13:19:51

    Em suma. Exame da OAB é decoreba e não avalia capacidade de resolver problemas novos, nem a forma de conquistar mercado de trabalho.

  • leandro audi
    02/05/2014 17:28:58

    thays se é verdade essa matéria eu quero que vc me adicione no facebook e me mostre a prova....só podem prestar a prova da oab quem esta no 9 e 10 semestre, e vc esta no 1 ano...estranho isso

  • MARSON CLEITON
    02/05/2014 16:24:03

    um brinde a inteligência. é gente assim que admiro. não a jogadores de futebol. e é gente assim que merece não só a minha mas a reverência de todos.

  • Rodrigo Santos
    02/05/2014 14:16:17

    Fica claro que o Exame de Ordem não é difícil em demasia para quem estuda o mínimo suficiente. Quem brada contra o exame ou é desinformado ou é malicioso. Não obstante, fica claro que o exame não avalia a contento a verdadeira capacidade do candidato, mas, sim assim o fosse, certamente a reprovação seria ainda maior, porque a qualidade dos acadêmicos (principalmente nas particulares) é sofrível.

  • Julia
    02/05/2014 12:26:55

    Então entendo que o Exame de Ordem é uma loteria, passa quem tiver a sorte de cair as matérias memorizadas, mesmo sem conhecimento jurídico. Qualquer um pode fazer a prova, não é necessário ser bacharel ou estar no 9º período?

  • Victor Hugo
    02/05/2014 08:32:30

    Sinceramente não sabia que era possível fazer o exame de ordem sem estar cursando o último ano do curso de direito.

  • ELYSSA-ALICIA
    01/05/2014 21:09:37

    AO MEU VER ESSA GAROTA MERECE TODOS ELOGIOS,CONHEÇO BACHARÉIS DE DIREITO QUE TENTAM PASSAR NO TESTE HÁ PELO MENOS 3 ANOS VEMOS UMA MULTIDÃO DE BACHARÉIS SENDO REPROVADOS DEPOIS DE SE GRADUAR, ENTÃO A ELA MEU LOUVOR....

  • emilio martins thans
    01/05/2014 18:49:30

    Há algo errado nisso. A Policia Federal deverá investigar esse caso. Não há qualquer possibilidade de um aluno do Direito que está nas fases iniciais ser aprovado nesse Exame. Penso que houve vazamento das questões.

  • Incom Petente
    01/05/2014 12:04:18

    Que lermos de quem sabe mais que nosotros? Coluna "quentinha" de Lênio Streck, que, embora ache que vocês não o conheçam (Google it!), atrevo-me a recomendar. http://www.conjur.com.br/2014-mai-01/senso-incomum-thays-18-passa-oab-rei-nu-fracassamos Até no lixão há flor!

  • Nilson Theodoro
    28/04/2014 09:08:33

    Pq tanta confusão sobre o exame da OAB. É apenas mais uma prova de tantas outras que uma pessoa passa na vida desde que entra na escola. E mais: os alunos passam por tantas provas mesmo na faculdade, apenas para graduar-se. Não está mais do que demonstrado que, para esses contrários ao exame da OAB, as provas que fizeram na faculdade não serviram para nada? Estudem mais seus incompetentes!

  • Marina
    07/04/2014 21:35:08

    Quantos anos vc tem?

  • Carenovi
    04/04/2014 19:36:40

    Em síntese: quanto menos se sabe, maior a sua chance de ser aprovado no Exame de Ordem. Gente, não sejamos ingênuos: inexiste proeza no feito desta garota. O ocorrido, em verdade, denuncia outra coisa: que o Exame de Ordem é cabalmente ineficaz de avaliar os conhecimentos de um bacharelando em Direito. Se essa moça passou, pode-se supor que alguém com o ensino médio, ou que curse outro curso qualquer de graduação (a exemplo de medicina veterinária), lendo manuais simplificados e decorando as peças pode obter êxito no malfadado exame, não acham? Achei um "tiro no pé" pros defensores do Exame de Ordem esta matéria. Afora isso, a reportagem contém uma profusão de incongruências: ela passou no XIII Exame, este que vai ocorrer agora em abril? Outra, quando ela diz "Mesmo muito nova e não sabendo muito bem o que era, eu já sabia que era isso que eu queria para mim.", não se trata de um flagrante paradoxo (para dizer o mínimo!). Enfim, que a reflexão sobre a (des)necessidade do Exame de Ordem amadureça cada vez mais, para que os rumos do Direito e da advocacia sejam otimizados.

BEM-VINDO À CARTA FORENSE | LOG IN
E-MAIL:
SENHA: OK esqueceu?

THAYS CASTRO GUIMARÃES

Thays Castro Guimarães

Estudante do 2º período da Faculdade Católica de Rondônia. Aprovada no XIII Exame Unificado da Ordem dos Advogados do Brasil.

EDIÇÃO DO MÊS

Reforma Previdenciária - Importantes Reflexões

NEWSLETTER

Receba nossas novidades

© 2001-2016 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br