Página Inicial   >   Entrevistas

ENTREVISTA Empreendedorismo no Direito

01/02/2018 por Renato Saraiva

 

O senhor tem uma trajetória digna de um best seller, poderia nos falar resumidamente sobre este histórico de vitorias?

 

Eu fui um menino pobre, nascido em Itaguaí/RJ e criado num bairro muito humilde na cidade do Rio de Janeiro chamado Vigário Geral. Meu pai era bancário e minha mãe do lar. Estudei todo o ensino fundamental e médio em escola pública. Andava, todos os dias,3 km para ir para a escola. Sempre desejei um futuro diferente para mim. Sabia que eu era capaz e que a educação e os estudos poderiam mudar a minha vida, como de fato ocorreu. O início da minha virada aconteceu em 1985 quando eu fiz concurso público e fui aprovado na Escola de Formação de Sargentos da Aeronáutica (EEAR), situada em Guaratinguetá/SP. Ali deixei de ser menino e me tornei homem, extraindo muitos ensinamentos da doutrina militar como determinação, garra e foco nos objetivos. No mundo militar, não há espaço para você ficar contando historinhas e inventando desculpas para os fracassos. A disciplina militar me ajudou muito a alcançar os meus objetivos.

Ao me tornar sargento da aeronáutica pude pagar a minha própria faculdade e me tornei bacharel em direito em 1994. Continuei estudando e passei no concurso para Oficial de Justiça avaliador da Justiça do Trabalho do TRT/1ª Região. Depois, em 2001, passei no concurso para o Ministério Público do Trabalho, ficando lotado em Recife, na PRT/6ª Região, onde comecei também a minha carreira como palestrante, escritor e professor.

A educação e os estudos me deram tudo o que eu tenho hoje. Um menino pobre que venceu através da educação. Essa foi, inclusive, a grande motivação da criação do meu curso, Cers Cursos Online, hoje o maior curso preparatório para concursos públicos e exame de ordem do Brasil, com mais de 100 mil alunos com matrícula ativa. Através do Cers, pude impactar e mudar a vida de milhares de pessoas, que se tornaram advogadas ou servidoras públicas. Digo sempre que o Cers não mais me pertence, mas sim pertence a todos que conseguiram lograr êxito nos seus objetivos e alcançar o sucesso profissional.

 

O que usava como fortaleza nos momentos difíceis?

Sempre fui determinado. Nunca desanimava. Eu sabia que os momentos difíceis eram uma etapa necessária para alcançar o sucesso. Fracassei várias vezes. O fracasso foi o meu professor. Só existe uma única maneira de você não alcançar os resultados: desistir. Essa palavra não existe no meu dicionário. Um fator que me ajudou muito foi a necessidade. Eu era pobre e queria muito vencer. Quando você tem a necessidade, naturalmente, ela te faz sair da zona de conforto em busca de resultados diferentes. A zona de conforto sempre me incomodou muito e continua me incomodando.

 

O senhor foi dando passos progressivos, qual o motivo para isto?

Eu optei sempre por ter mais de uma opção. Quando me tornei operador do direito comecei a empreender, seja como professor, escritor ou palestrante. Paralelamente ao Ministério Público, me dediquei muito a docência e na publicação de livros na área do Direito do Trabalho. Logo, sempre busquei várias opções de trabalho, doando-me ao máximo para fazer melhor do que o meu maior concorrente. Sempre penso assim. Vou fazer o melhor, vou o ser o melhor, e vou ter várias opções. Claro que isso implica em um grande sacrifício de vidas pessoal e familiar no início. Hoje, graças a Deus, vivo uma vida mais equilibrada, compatibilizando a vida profissional com a minha vida amorosa e familiar.

 

Como começou sua relação com a docência?

Quando passei no concurso para o MPT, fui lotado no Recife e logo recebi o convite para ministrar aulas de direito do trabalho. No início, para treinar, eu dava aulas para mim mesmo, no espelho do quarto. Estudei muito e me preparei para ser um professor reconhecido pelos alunos. E deu certo. Nada resiste ao trabalho. Passei logo a ministrar aulas em todo o Brasil, sendo, há época, conhecido como um dos melhores professores de Direito do Trabalho do país.

 

Como surgiu a ideia de montar o próprio curso? E a ideia de ser online?

Eu já ministrava aulas em vários cursos preparatórios para concursos públicos e tinha um sonho de montar o próprio curso. Em 2009, vendi tudo o que eu tinha, até o meu carro, e montei o CERS. Inicialmente era um curso presencial e via satélite para as Faculdades. Após 09 meses, o curso não cresceu e estávamos no vermelho. Decidimos então migrar para o curso online, numa época em que ninguém acreditava, e deu tudo certo. Navegamos num oceano azul e em pouco tempo nos tornamos líderes de mercado. Hoje temos os melhores cursos e professores na preparação dos alunos para as carreiras jurídicas, policiais, tribunais e área fiscal.

 

O senhor chegou a ser Procurador do Trabalho, uma das carreiras mais concorridas nos concursos. Como foi a tomada de decisão de pedir exoneração do cargo para empreender?

 Eu amo o Ministério Público do Trabalho. Tenho muito orgulho de ter exercido o cargo de Procurador do Trabalho por quase 17 anos. O MPT foi uma escola para mim. Fiz grandes amigos também. Tenho certeza que eu contribui bastante para a instituição, não só com o meu trabalho como procurador, mas também como grande divulgador do trabalho institucional realizado pelo MPT. Todavia, atualmente, entendi que eu não tinha mais o que contribuir para o Ministério Público e que estava na hora de realizar o meu grande sonho que era ADVOGAR. Sempre sonhei em ser advogado. E resolvi realizar esse sonho, aproveitando esse novo momento do direito do trabalho imposto pela reforma trabalhista.

Além dos empreendimentos educacionais o senhor pretende também levar seus conhecimentos jurídicos também para a advocacia?

Sim, com certeza. Montei o meu escritório em Vila Madalena/SP e estou prestando assessoria consultiva a empresas públicas e privadas no âmbito do Direito do Trabalho. Estou muito motivado e pronto para contribuir também na advocacia trabalhista e empresarial. Acredito que a experiência obtida no Ministério Público, na docência e também como empreendedor e empresário vão facilitar o meu trabalho nessa nova fase. Estou muito feliz como advogado.

 

Qual paralelo o senhor faz com o empreendedorismo e a estabilidade da carreira pública, como os termos se compatibilizam?

 Tudo depende do seu objetivo. A estabilidade financeira é o grande combustível daquele que deseja tomar posse num cargo público. Se o objetivo da pessoa é estabilidade financeira e tranquilidade, evidentemente, o serviço público pode lhe proporcionar isso. Agora, se a pessoa é empreendedora, é bem mais difícil obter a felicidade somente no serviço público. Nesse caso, a iniciativa privada ainda é a melhor opção para quem tem sangue de empreendedor correndo nas veias.

 

 

Comentários

BEM-VINDO À CARTA FORENSE | LOG IN
E-MAIL:
SENHA: OK esqueceu?

RENATO SARAIVA

Renato Saraiva

Presidente do Grupo CERS, Vice-Presidente da Associação Nacional de Proteção e Apoio aos Concursos (Anpac), escritor, palestrante, conferencista e autor de diversas obras e artigos científicos referentes ao Direito do Trabalho.

NEWSLETTER

Receba nossas novidades

© 2001-2018 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br