Página Inicial   >   Notícias

INDENIZAÇÃO Empresa aérea deve indenizar passageiro por subtração de celular em bagagem despachada

14/03/2018 por ASCOM-TJ/DF

O juiz do 7º Juizado Especial Cível de Brasília condenou a GOL Linhas Aéreas a pagar indenização a passageiro, no valor de R$ 4.500,00, por danos morais e materiais, tendo em vista a subtração de celular de dentro de bagagem despachada no aeroporto de Punta Cana, na República Dominicana, durante viagem de retorno ao Brasil.

O autor alega que um celular funcional (Samsung Galaxy Ace) e um celular novo (Samsung Galaxy S6), adquirido durante a viagem, foram subtraídos de dentro da bagagem despachada, no aeroporto de Punta Cana. Declara ainda que a perda do aparelho novo gerou grande frustração, uma vez que era para sua filha. Ao final, solicita indenização por dano material no valor de R$ 2.500,00 e por danos morais no valor de R$ 2.500,00.

A ré afirma que o autor não comprovou efetivamente o extravio do segundo celular. Além disso, ressalta que o autor não declarou o valor do bem no momento de despachar a bagagem e que se tratando de bem de valor considerável, não é recomendável o despacho. A empresa defendeu, ainda, a inexistência do dano moral.

Ao julgar procedente em parte o pedido, o magistrado destacou que a compra do celular novo foi comprovada pela nota fiscal, e a violação da bagagem pelas fotos, boletim de ocorrência e reclamação no site da companhia aérea. No entanto, com relação ao celular funcional, afirma que o extravio não foi devidamente confirmado, pois não foi demonstrado que o aparelho estava guardado na mala.

Segundo o juiz, a controvérsia sobre transporte aéreo internacional deve ser solucionada à luz da Convenção de Montreal, que limita a 1.000 Direitos Especiais de Saque a indenização a que faz jus o autor, que, convertidos, totalizam R$ 4.491,10. “Assim, tendo em vista que o prejuízo material do autor tem valor inferior ao limite previsto na Convenção, a ré deve indenizá-lo em R$ 2.000,00, valor da conversão do aparelho comprado e perdido e cujo valor não foi impugnado pela ré”.

Para o magistrado, o autor tem direito à indenização por dano moral, uma vez que “a violação de bagagem com a subtração de bem de seu interior causa mais do mero dissabor, violando direito da personalidade, razão pela qual faz jus o autor à reparação devida pela conduta da ré, que falhou na prestação do serviço de transporte contratado, dando causa aos danos sofridos”. Nesse contexto, o juiz fixou a indenização por danos morais em R$ 2.500,00.

Cabe recurso.

Processo Judicial eletrônico (PJe): 0747410-03.2017.8.07.0016

 

Tags: Consumidor

Comentários

BEM-VINDO À CARTA FORENSE | LOG IN
E-MAIL:
SENHA: OK esqueceu?

EDIÇÃO DO MÊS

Crimes Sexuais - aspectos atuais

NEWSLETTER

Receba nossas novidades

© 2001-2018 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br